Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/40589
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_BrunoMendelskideSouza.pdf3,06 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorRocha, Antônio Jorge Ramalho da-
dc.contributor.authorSouza, Bruno Mendelski de-
dc.date.accessioned2021-04-20T03:26:59Z-
dc.date.available2021-04-20T03:26:59Z-
dc.date.issued2021-04-20-
dc.date.submitted2020-12-08-
dc.identifier.citationSOUZA, Bruno Mendelski de. A islamofobia na França: um estudo de caso (1996-2019). 2020. [224] f., il. Tese (Doutorado em Relações Internacionais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unb.br/handle/10482/40589-
dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais, 2020.pt_BR
dc.description.abstractEsta tese investiga o fenômeno da islamofobia na França por meio das lentes teóricas do liberalismo e do iliberalismo. Inserida nos debates contemporâneos das Relações Internacionais acerca de identidade, etnicidade e segurança, o trabalho argumenta que a construção e operacionalização da islamofobia na França depende de uma articulação entre discursos e práticas liberais e iliberais. Metodologicamente, a tese centra-se no método do estudo de caso, executado através de fontes primárias e secundárias. Adicionalmente, empregou-se a Análise Crítica do Discurso para o exame dos discursos das principais lideranças francesas. O objeto da pesquisa consiste nas manifestações da islamofobia na sociedade civil francesa, através do estudo dos casos de islamofobia entre 1996-2019; e no poder público, via estudo das políticas públicas que mais impactaram na minoria muçulmana. Teoricamente, a tese propõe duas contribuições originais: (i) um novo conceito para o termo islamofobia; (ii) a ferramenta teórico-metodológica da Escala de Iliberalismo para o estudo e comparação internacional do comportamento governamental frente as minorias étnico-religiosas. Como resultados da pesquisa doutoral, constatou-se que a islamofobia na França se desenvolve- a partir de dois eixos fundamentais: (i) a associação do Islã com a violência terrorista; (ii) a associação do Islã com a opressão feminina, simbolizada pelo uso do véu islâmico. Estes elementos são contrapostos a uma identidade francesa edificada como civilizada, secular e liberal. Discursivamente, a pesquisa mostrou que estes marcadores identitários são dominantes na opinião pública e na retórica dos líderes políticos franceses. Empiricamente, descobriu-se que o terrorismo e demonização do véu islâmico foram frequentemente citados nas ocorrências islamofóbicas. O exame em profundidade dos casos de islamofobia, relevou também que uma parcela representativa dos mesmos fora legitimada tanto por argumentos liberais, especialmente o secularismo e a igualdade de gênero, quanto por pressupostos iliberais, que abertamente concebem os muçulmanos como inferiores e ameaçadores.pt_BR
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleA islamofobia na França : um estudo de caso (1996-2019)pt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.subject.keywordIslamofobiapt_BR
dc.subject.keywordFrançapt_BR
dc.subject.keywordLiberalismopt_BR
dc.subject.keywordIliberalismopt_BR
dc.subject.keywordIdentidade culturalpt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.contributor.advisorcoKaya, Yunus-
dc.contributor.advisorcoKastoryano, Riva-
dc.description.abstract1This thesis investigates the phenomenon of Islamophobia in France through the theoretical lens of liberalism and illiberalism. Inserted in the contemporary debates of International Relations about identity, ethnicity and security, the work argues that the construction and operationalization of Islamophobia in France depends on an articulation between liberal and illiberal discourses and practices. Methodologically, the thesis focuses on the case study method, carried out through primary and secondary sources. Additionally, Critical Discourse Analysis was used to examine the speeches of the main French leaders. The object of the research consists of the manifestations of Islamophobia in French civil society, through the study of cases of Islamophobia between 1996-2019; and in the government, through the investigation of public policies that had great impact on the Muslim minority. Theoretically, the thesis proposes two original contributions: (i) a new concept for the term islamophobia; (ii) the theoretical-methodological tool of the Scale of Illiberalism for the study and international comparison of governmental behavior towards ethnic-religious minorities. As a result of the doctoral research, it was found that Islamophobia in France develops from two fundamental axes: (i) the association of Islam with terrorist violence; (ii) the association of Islam with female oppression, symbolizes the use of the Islamic veil. These elements are contrasted with a French identity constructed as civilized, secular and liberal. Discursively, the data shown that these identity markers are dominant in public opinion and in the rhetoric of French political leaders. Empirically, it was discovered that terrorism and the demonization of the Islamic veil were often cited in Islamophobic events. The in-depth examination of Islamophobia cases also revealed that a representative portion of them had been legitimized both by liberal arguments, especially secularism and gender equality, and by illiberal assumptions, which openly conceive Muslims as inferior and threatening.pt_BR
Appears in Collections:IREL - Doutorado em Relações Internacionais (Teses)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/40589/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.