Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/37172
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_GabriellaAlencastroVeigadeAraújo.pdf3,21 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorConceição, Maria Inês Gandolfo-
dc.contributor.authorAraújo, Gabriella Alencastro Veiga de-
dc.date.accessioned2020-03-26T14:37:11Z-
dc.date.available2020-03-26T14:37:11Z-
dc.date.issued2020-03-26-
dc.date.submitted2019-07-15-
dc.identifier.citationARAÚJO, Gabriella Alencastro Veiga de. Cultura de paz nas escolas: a “arte de viver em paz” com professoras. 2019. 164 f., il. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unb.br/handle/10482/37172-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2019.pt_BR
dc.description.abstractA Cultura de Paz começou a ser mais disseminada e estudada, após a proclamação, pela Assembleia Geral das Nações Unidas, do ano 2000 como o Ano Internacional da Cultura de Paz, sob a coordenação geral da Unesco. A violência é o cenário de onde emerge a proposta de uma Cultura de Paz, que hoje, além de um anseio coletivo, é uma necessidade. Os estudos sugerem a necessidade de atuações preventivas envolvendo crianças, jovens, famílias e comunidades. Pierre Weil criou uma metodologia de Educação para a paz, premiada pela Unesco, chamada ―A arte de viver em paz‖ (Avipaz) - um seminário de 12h que sensibiliza o participante a trabalhar a paz consigo mesmo (no plano do corpo, da vida emocional e da mente - Ecologia Interior), a paz com os outros (no plano da economia, da vida social e da cultura - Ecologia Social) e a paz com a natureza (no plano da matéria, da vida e da informação - Ecologia Ambiental). A pesquisadora realizou o seminário Avipaz com oito professoras de uma escola particular do DF e, um ano após, realizou entrevistas individuais com as mesmas professoras para perceber o alcance que as professoras atribuem à metodologia da Avipaz, na busca de alternativas à violência e caminhos para a construção de uma cultura de paz no contexto escolar, além de avaliar a percepção das professoras em relação aos ganhos em sua vida após a realização do seminário. As entrevistas foram analisadas à luz do Discurso do Sujeito Coletivo, de Lefévre. O que se obteve de resultado foi que, apesar da simplicidade, é uma prática bastante eficiente na promoção de cultura de paz nas escolas e gera transbordamentos benéficos para a saúde mental e vida pessoal daqueles que dela participam. Conclui-se que um dos destaques deste trabalho é a reconexão do humano consigo mesmo possibilitada, que o faz conectar-se com os outros, numa perspectiva da construção e não destruição, recapitulando a ideia de paz como inteireza, processo, algo ativo, não apenas como ausência de guerra. Recomenda-se que o método seja divulgado para que outras escolas possam se beneficiar de seus efeitos benéficos e as políticas públicas e privadas tenham uma preocupação maior com a aplicação prática da Cultura de Paz.pt_BR
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleCultura de paz nas escolas : a “arte de viver em paz” com professoraspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.keywordCultura de pazpt_BR
dc.subject.keywordEscolas - aspectos psicológicospt_BR
dc.subject.keywordViolência escolar - prevençãoCAPESpt_BR
dc.subject.keywordProfessores - formaçãopt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.description.abstract1The Culture of Peace began to be more widely disseminated and studied after the proclamation by the United Nations General Assembly, of the year 2000 as the International Year of the Culture of Peace under the general coordination of Unesco. Violence is the scenario from which emerges the proposal of a Culture of Peace, which today, in addition to a collective yearning, is a necessity. The studies suggest the need for preventive actions involving children, youth, families and the community. Pierre Weil created a methodology for Peace Education, awarded by Unesco, called "The Art of Living in Peace" (Avipaz) - a 12-hour seminar that sensitizes the participant to work on peace with himself (in the plane of the body, life emotional and mind - Inner Ecology), peace with others (in the area of economy, social life and culture - Social Ecology) and peace with nature (in terms of matter, life and information - Environmental Ecology). The researcher held the Avipaz seminar with eight teachers from a private school in the Federal District and a year later, conducted individual interviews with the same teachers to understand the scope that the teachers attribute to Avipaz methodology in the search for alternatives to violence and ways for the construction of a culture of peace in the school context, as well as evaluating the teachers' perception of the gains in their life after going through the seminar. The interviews were analyzed in the light of Lefevre's Collective Subject Discourse. What has been achieved is that, despite its simplicity, it is a very efficient practice in promoting a culture of peace in schools and generates beneficial spills to the mental health and personal lives of those who participate. In conclusion, one of the highlights of this work is the reconnection of the human with himself, which enables him to connect with others in a constructive and non-destructive perspective, recapitulating the idea of peace as a whole, a process, something active, not only an absence of war. It is recommended that the method be disseminated so that other schools can benefit from its beneficial effects, and public and private policies have a greater concern with the practical application of the Culture of Peacept_BR
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/37172/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.