Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/35615
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_DanielaFerreiraRochaSoares.pdf12,61 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorAbrahão, Júlia Issy-
dc.contributor.authorSoares, Daniela Ferreira Rocha-
dc.date.accessioned2019-10-17T21:54:03Z-
dc.date.available2019-10-17T21:54:03Z-
dc.date.issued2019-10-17-
dc.date.submitted2019-03-15-
dc.identifier.citationSOARES, Daniela Ferreira Rocha. Arquitetura e Ergonomia: uma articulação possível?. 2019. xiii, 96 f., il. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/35615-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2019.pt_BR
dc.description.abstractOs projetos arquitetônicos em geral têm adotado, como parâmetro usual de dimensionamento, critérios fixos de metragem quadrada de acordo com mobiliário ou número de ocupantes por ambiente. Projetos destinados aos edifícios industriais admitem, ainda, como fio condutor para sua configuração espacial, o fluxo da produção elaborado a partir das tarefas, preterindo, assim, a variabilidade do processo produtivo e sua evolução. No entanto, esta prática torna o espaço de trabalho um ditado ao qual os funcionários devem se adaptar. Tal fato pode revelar- se altamente negativo em termos de trabalho individual e coletivo, impactando na produtividade e na qualidade de produção de bens e serviços, que por sua vez, geram prejuízos financeiros à instituição. Uma das problemáticas, encontrada na concepção de projeto arquitetônico, é a dificuldade de integrar, à prática, a qualidade funcional prevista em um programa de necessidades, ao projeto. De fato, é considerado como prioridade, o que é prescrito, ou seja, a tarefa, desconsiderando a atividade e as questões dela decorrentes. Sendo assim, propõe-se nesta pesquisa uma articulação dos conceitos de Ergonomia à prática de projeto de Arquitetura, visando promover a qualidade funcional e, seus possíveis desdobramentos no uso previsto para a edificação. Integrou-se, então, como ferramenta auxiliar de investigação a Análise Ergonômica do Trabalho (AET) no processo de elaboração do Programa de Necessidades Arquitetônico (PNA). Para tanto, foram analisadas, de forma sistemática, as atividades, inerentes às tarefas de uma indústria brasileira do ramo alimentício, sendo também aplicado neste estudo, o produto oriundo da articulação dos métodos propostos. Os resultados apontaram que a falta da análise da atividade gerou um fluxo desordenado na produção e um leiaute que dificulta a flexibilização dos espaços para a integração de novos maquinários e produtos. Assim, ao assumir a atividade como o elemento organizador dos componentes do espaço, abre-se novas abordagens no desenvolvimento de projeto, aproximando-o à realidade do processo, além de o auxiliar, como um instrumento de previsão às demandas das situações de trabalho.pt_BR
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleArquitetura e Ergonomia : uma articulação possível?pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.keywordProjeto arquitetônicopt_BR
dc.subject.keywordErgonomiapt_BR
dc.subject.keywordAnálise ergonômica do trabalhopt_BR
dc.subject.keywordEdificaçõespt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.description.abstract1Architectural projects in general have adopted, as usual dimensioning parameter, fixed criteria of square footage according to furniture or number of occupants per room. Projects destined to the industrial buildings also use, as a guideline for their spatial configuration, the production flow elaborated from the tasks, disregarding so precluding the variability of the productive process and its evolution. However, this practice makes the workspace a dictum to which employees must adapt. This fact can be highly negative in terms of individual and collective work, impacting in productivity and quality of production of goods and Services, which in turn, generate financial losses to the institution. One of the problems found in the process of design is the difficulty of integrating the functional quality expected in a architectural programming into the project. In fact, it is considered as a priority, what is prescribed, that is, the task, disregarding the activity and the issues arising from it. Therefore, it is proposed in this research an articulation of the concepts of Ergonomics to the practice of Architecture design, aiming to promote the functional quality and, its possible unfolding in the intended use for the building. Ergonomic Analysis of Work (EAW) was then integrated as an auxiliary research tool in the process of elaborating the Architectural Programming (AP). For this, the activities, inherent to the tasks of a Brazilian food industry, were systematically analyzed, and the product from the articulation of the proposed methods was also applied in this study. The results showed that the lack of analysis of the activity generated a disordered flow in the production and a layout that makes it difficult to flexibilize spaces for the integration of new machinery and products. Thus, by assuming activity as the organizing element of the space components, new approaches are opened in the development of the design, bringing it closer to the reality of the process, as well as helping, as an instrument for predicting the demands of work situations.pt_BR
Appears in Collections:FAU - Mestrado em Arquitetura e Urbanismo (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/35615/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.