Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unb.br/handle/10482/11437
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_EduardoRizzattiSalomao.pdf7,96 MBAdobe PDFView/Open
Title: A Guerra de S. Sebastião (1912-1916): um estudo sobre a ressignificação do mito do rei encoberto no movimento sociorreligioso do contestado
Authors: Salomão, Eduardo Rizzatti
Orientador(es):: Dobroruka, Vicente Carlos Rodrigues Álvarez
Assunto:: Brasil - história - Campanha do Contestado, 1912-1916
Sincretismo religioso
Issue Date: 17-Oct-2012
Citation: SALOMÃO, Eduardo Rizzatti. A Guerra de S. Sebastião (1912-1916): um estudo sobre a ressignificação do mito do rei encoberto no movimento sociorreligioso do contestado. 2012. 292 f. Tese (Doutorado em História)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
Abstract: Em Santa Catarina, no contexto das tensões sociopolíticas experimentadas na década de 1910, um movimento religioso desencadeou uma rebelião de proporções não vistas desde Canudos. Batizado pela historiografia nacional de Guerra do Contestado, esse episódio estendeu-se de 1912 a 1916, abrangendo mais de 25 mil quilômetros quadrados e matando milhares de pessoas. Para os rebeldes, o conflito foi uma guerra santa anunciada por profecias. Evento em que, à frente de um Exército celestial ou encantado, o mártir católico S. Sebastião foi escolhido para restaurar a monarquia e inaugurar um século de fartura e felicidade. Este trabalho tem por objetivo estudar a devoção ao mártir católico S. Sebastião no Contestado e a relação desta prática religiosa com a crença no retorno do rei Encoberto D. Sebastião, desaparecido na batalha de Alcácer Quibir, em 1578. Acredita-se que, mediante um processo de reelaboração dos símbolos e significados da religiosidade, no Contestado não mais o rei Encoberto, mas o mártir católico é quem entrara em cena no comando de um Exército. A tese central é que o fenômeno histórico do Contestado encontrará melhor compreensão no estudo das crenças que fundamentaram a representação coletiva das pessoas que integraram o movimento rebelde. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
In the state of Santa Catarina, in the context of the social and political tensions in 1910s, a religious movement triggered a rebellion not seen in Brazil since Canudos. Called by Brazilian historiography “Guerra do Contestado”, the conflict spread from 1912 to 1916, spanning more than 25 thousand square kilometers and killing thousands of people. For the rebels, the conflict was a “holy war” announced by prophecies. In this event, ahead of a celestial army (or “hidden” army), the Catholic martyr St. Sebastian was chosen to restore the monarchy and to inaugurate a century of plenty and happiness. This work aims at analysing the devotion to martyr St. Sebastian in the Contestado and the relationship with the belief in the return of the hidden king D. Sebastian, who disappeared in the battle of Alcácer Quibir, 1578. Through a process of reworking of the symbols and religious meanings, in the Contestado not a “Hidden King” is expected anymore, but the Catholic martyr is the one who had entered in scene in the command of a army. The central thesis is that the historical phenomenon of Brazil’s Contestado rebellion finds understanding in the study of beliefs that underlie the collective representation of people who joined the rebel movement.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, 2012.
Appears in Collections:Artigos publicados em periódicos
HIS - Doutorado em História (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/11437/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.